Marketing político e marketing eleitoral: entenda a diferença

As campanhas políticas da atualidade dependem cada vez mais de técnicas de marketing para se destacar na mídia. É relativamente recente essa correlação, mas o marketing já está inserido como estratégia desde a década de 1950, vindo dos EUA, cuja TV já começava a sua crescente popularidade. 

Com a prática, o marketing político foi tomando novas formas, se transformando e ganhando características próprias e também ramificações distintas, como o marketing eleitoral. Embora acreditem que sejam sinônimos, na prática, o desconhecimento de suas diferenças técnicas pode custar votos decisivos no pleito. 


Marketing Político

O conceito do marketing tradicional é a base estrutural do político. Sua visão é ampla e não apenas para um pleito específico, mas cuida do planejamento de um conjunto de ações para um agente político em seu mandato ou até mesmo para um partido político. 

É comum identificar as ações do marketing político durante a campanha, e muita gente acredita que após a vitória das eleições, o trabalho tenha terminado. Na verdade, é nesse momento que ele começa!

É nesse momento que o político eleito deve estreitar sua relação com seus eleitores e também com o restante dos cidadãos. Para isso, é preciso realizar pesquisas que possam identificar os anseios da população e traçar estratégias que façam suas ações repercutirem positivamente. 

A necessidade de ter estratégias de comunicação que possam atingir diferentes objetivos, serve para preparar o político não só para realizar um bom mandato, mas também visando as próximas eleições e as múltiplas oportunidades que possam acontecer. 

Quando o candidato não teve ainda um mandato, o marketing político faz um amplo trabalho de preparo de sua candidatura. Inicialmente, ele identifica seu eleitorado em potencial, observa seus adversários com suas plataformas e pontos positivos e negativos, expondo a todos os eleitores em geral suas diferenças pontuais, a partir de um posicionamento estratégico.  

Os eleitores são ouvidos, por meio de pesquisas, para que sejam identificados seus anseios sociais, o que pensam sobre a política e o que esperam de um candidato. Com o resultado dessas informações, o candidato realinha seu posicionamento de acordo com as principais preocupações da sociedade.

Não se trata de contrariar suas ideologias e história política, mas compatibilizar seus ideais aos do seu eleitorado. Essa construção é projetada em longo prazo, numa construção de imagem que visa conquistar a confiança, segurança, simpatia e aprovação da sociedade de forma permanente. 

Como o marketing político é extremamente necessário durante o mandato do candidato, é preciso manter uma equipe para sua continuidade com qualidade. Ela prepara as páginas das redes sociais para manter uma comunicação ampla com os cidadãos e também expor a atuação do político. 

Dentre as ações em longo prazo que devem ser realizadas pela equipe do marketing político estão:

- Manter contato com os líderes comunitários e sociais

Com a vitória nas eleições, esse contato deve ser reforçado, para manter uma relação de ouvinte sobre os anseios da comunidade ou grupo que eles representam. Assim, é possível identificar necessidades e agir para que possa ser suprida, dentro de suas possibilidades. 

Esse contato constante e as ações realizadas, reforçam o compromisso dado aos eleitores para atendê-los com eficiência. E elas precisam ser sempre divulgadas como uma satisfação para a sociedade e reforço da persona política. 

- Ouvir a população

É preciso divulgar as ações realizadas no mandato, mas também ouvir o que ela tem a dizer sobre ele. É muito comum que existam políticos que se afastem de seus eleitores após as eleições e tomem atitudes de acordo com seus interesses, que só despertam a desilusão de seus eleitores. 

As pessoas precisam se sentir ouvidas sobre suas mazelas na sua comunidade, para que o marketing político se fortaleça diante dos cidadãos. Para isso, é possível oferecer opções de contato como e-mail marketing, espaço para críticas e sugestões em websites e páginas em redes sociais. 

- Eventos

Há políticos que só são vistos durante a campanha, e durante o mandato desaparecem, o que causa uma péssima impressão ao seus eleitores. O marketing político o direciona a ir a eventos relevantes para manter sua imagem na visão das pessoas de forma constante. 

- Marketing direto

Estar presente na vida dos eleitores é também utilizar o marketing direto e suas ferramentas, tal como o e-mail marketing para entrar em contato com eles. Ele precisa ser segmentado para cada grupo pré-definido, com mensagens personalizadas e que pode ser uma prestação de contas sobre os trabalhos que vêm sendo realizados, uma convocação para eventos, seminários ou reuniões, ou mensagens mais pessoais como parabenizando pelo aniversário. 

- Redes sociais

As redes sociais vieram com tudo para o marketing político, oferecendo aos eleitores um espaço para conhecer melhor seu candidato. Elas devem possuir conteúdos rápidos e criativos que explicitem decisões, projetos e assuntos a serem debatidos pela sociedade. 


Marketing Eleitoral

Até mesmo pessoas que trabalham com o marketing digital têm dificuldades em identificar as diferenças entre o marketing político e o eleitoral. Derivado do político, o marketing eleitoral tem objetivos, técnicas e estratégias próprias e que fazem a diferença numa campanha. 

Todas as suas ações são voltadas para aquele pleito determinado e recebem o apoio do trabalho permanente do marketing digital, como base estrutural da figura política do candidato. Ele atua do princípio ao fim da campanha, buscando maior adesão às ideias e causas oferecidas pelo candidato. 

Ele torna o candidato mais atraente durante as eleições, fomentando a empatia dos eleitores e até mesmo daqueles que possuem um posicionamento ideológico diferenciado. Seu foco é na conversão dos eleitores, ou melhor, na aceitação do candidato e na conquista do voto.

Suas estratégias têm curta duração e são focadas no imediatismo, mas não têm nada de impulsiva. Tudo o que é dito e realizado, é baseado em análise e mensuração de resultados. Tanto em candidaturas novas, quanto os que já tiveram mandatos, as técnicas fazem com que o público conheça melhor quem está desejando seu voto. Eles querem conhecer suas propostas e projetos, forma de pensar na política e na sociedade, além de sua visão de mundo em geral. 

As taxas de conversão do marketing eleitoral são mais fáceis de serem identificadas, assim como suas métricas. As pesquisas e resultados são mais rápidos pelo tempo mais curto para tomar decisões. 

O Marketing eleitoral é o responsável por estratégias como:

  • Orientação e direcionamento do tom dos discursos e debates, assim como as roupas mais adequadas ao pleito; 
  • Pesquisa sobre os outros candidatos, como atuam no seu próprio marketing eleitoral, sua plataforma e posicionamento;
  • Slogans de campanha, atuação nas propagandas eleitorais e todos os materiais de divulgação; 
  • Análise do começo ao fim da campanha, sobre a situação política e econômica do país;
  • Investimento em inbound marketing; 
  • Fortalecimento da imagem do candidato, estruturada pelo marketing político.

Saber a diferença entre o marketing político e o marketing eleitoral pode valer votos essenciais para uma eleição e transformar a imagem do candidato. Conheça no site da RedaWeb as definições dos dois métodos de marketing e como eles devem ser usados.