Saiba tudo sobre o Growth Hacking no Brasil

O casamento entre marketing digital e tecnologia proporcionou, na última década, uma verdadeira transformação na comunicação e gerenciamento das empresas. Para dar conta desse cenário, diversos conceitos e práticas mercadológicas foram sendo desenvolvidos. Além disso, antigas funções foram reformuladas e novos profissionais surgiram no mercado. Dentre esses adventos a metodologia conhecida como Growth Hacking está cada dia mais popular entre as empresas brasileiras. Saiba tudo sobre o Growth Hacking no Brasil a seguir.

A essa altura a maioria dos empreendedores já ouviu falar no termo. Ainda assim muitos, dentre esses gestores e empresários, não têm certeza do que exatamente se trata a prática. Porém, antes de entender o significado da expressão, uma contextualização se faz necessária. Pois o mesmo cenário, que transformou o modo como as organizações atuam no mercado, criou um cenário de tendência disruptiva. Em função disso, novos concorrentes despontam a todo momento e as preferências do consumidor oscilam em função da conveniência oferecida.

Nesse cenário de incertezas e acirrada competitividade, era importante encontrar caminhos que garantissem o crescimento das empresas. Especialmente as de natureza incipiente. E foi justamente entre as startups que o conceito de Growth Hacking surgiu pela primeira vez. Esses negócios, em fase inicial, que buscam pelo desenvolvimento de soluções inovadoras, são particularmente suscetíveis às incertezas do mercado. A fim de ajudar essas empresas, o norte-americano Sean Ellis desenvolveu uma metodologia consistente de crescimento.

Os atalhos que permitiam alcançar o pleno desenvolvimento eram muitos. Ao fazer uma análise de comportamento do consumidor, Ellis descobriu meios de aumentar a base de clientes. Posteriormente, com muita experimentação e investimento em marketing criativo, os níveis de retenção e, consequentemente, a receita dos startups, cresceram. 

São justamente esses “atalhos de crescimento” que caracterizam a atividade do Growth Hacking. Dentre as empresas nas quais o norte-americano atuou está a Dropbox, um serviço que explora a computação em nuvem.


Growth Hacking no Brasil: por que a prática vem sendo tão procurada?

Originalmente essa era uma metodologia aplicada às startups de tecnologia e aos chamados SAAS – softwares enquanto serviço. Hoje, diferentes modelos de negócio usam da ferramenta para incrementar o seu crescimento. Você certamente conhece algumas dessas empresas pessoalmente. Duvida? Anote, então, quantos destes serviços você usa ou já ouviu falar: Uber, Spotify, Snapchat, AirBnb, Evernote, Pinterest, Twitter e LinkedIn. Todas essas organizações têm em comum o fato de utilizarem o Growth Hacking, além de contratarem profissionais especializados no recurso.

Também os e-commerces e demais empresas que oferecem serviços pela internet vêm desenvolvendo verdadeiros times de crescimento. Não vá pensar, no entanto, que essa prática é apenas mais uma forma de marketing. Esse último é uma atividade voltada à comunicação, percepção de necessidades e entrega de valor para os clientes. O que significa que o marketing não se envolve em etapas de experimento e implantação de soluções como as do Growth Hacking. Para entender melhor o método é primordial conhecer as etapas do processo que leva aos atalhos de crescimento. São as seguintes:

  • Análise de dados – é onde surgirão os insights responsáveis pela inovação do seu negócio ou produto.
  • Elaboração de ideias – momento em que os conceitos do tópico anterior começam a ganhar corpo.
  • Definição de prioridades – dentre todas as possibilidades imaginadas, quais vão ter impacto mais significativo nos negócios? Quais se alinham de forma mais contundente com o comportamento do seu público-alvo? Essas são as questões que devem ser respondidas nesta etapa.
  • Execução e teste – aqui entram em prática as melhorias e adaptações previamente delineadas para o seu serviço ou produto.

Uma vez concluído este ciclo, o processo todo recomeça. Além disso, e de forma similar ao que acontece nas vendas, o Growth Hacking também possui um funil próprio. O AARRI compreende os seguintes estágios:

  • Aquisição – as ações voltadas para a atração e conquista de clientes;
  • Ativação – onde a experiência positiva do consumidor deve ser iniciada;
  • Retenção – momento em que a satisfação resultante do seu serviço ou produto sustenta a continuidade da relação com o cliente;
  • Receita – quando a relação com o cliente se traduz em lucro real;
  • Indicações – o famoso boca a boca. Quando a satisfação atinge tal nível que a sua empresa passa a ser recomendada pelos clientes recorrentes.

Para que essa metodologia seja efetivamente implantada em uma organização, é importante manter uma equipe multidisciplinar. Um cientista de dados, um especialista em marketing digital e um designer com noções de user experience são a reunião ideal. O que não significa que não possa haver um arranjo para uma estrutura organizacional mais modesta. Um profissional de marketing que conheça análise de dados e um bom programador bastariam nesse caso. 

Você sabe quais resultados a ação desses profissionais pode trazer para os seus negócios? O Growth Hacking é capaz de elevar o nível competitivo de pequenas empresas ao patamar dos grandes atores do mercado. Inclusive, se esse cenário apresenta um funcionamento cada vez mais disruptivo, os atalhos de crescimento mantêm a sua organização preparada. E não apenas para se aproveitar das rupturas, mas também para ser responsável por elas. O melhor de tudo é que esse procedimento não demanda investimentos onerosos. Bastam algumas ferramentas digitais e bons profissionais para auxiliar no processo.

O Growth Hacking no Brasil vem sendo estimulado pela criação de cursos e workshops. Contudo, ainda há uma presença tímida no mercado, se comparado à revolução norte-americana, que começou no Vale do Silício. Apesar disso, esse misto de marketing e estatística vêm sendo mais visado pelas empresas a cada dia. Consequentemente, os profissionais habilitados para colocar em prática a metodologia já são altamente cobiçados. É claro que, analisando a fundo a questão, essa procura não surpreende. Afinal, que empresa não deseja crescer e inovar?

Em razão disso, ter noções de programação e entender a tecnologia da informação é cada vez mais relevante para gestores e marqueteiros. Porque é justamente a combinação entre criatividade e capacidade analítica que permite descobrir práticas que levem aos atalhos de crescimento. Para saber mais sobre o recurso você pode inclusive conferir a obra escrita pelo criador de toda essa história. Pois saiba que Sean Ellis lançou um livro para falar mais sobre a metodologia que popularizou. A mesma que permitiu uma iniciativa como o Uber a começar sua trajetória desafiando os famosos táxis amarelos de Nova York.

Além disso, muitas dicas e informações a respeito da prática podem ser encontradas gratuitamente na internet. São ideias que podem ser aplicadas nas mais variadas formas de negócios. Experimente essa ferramenta estratégica em pequenas doses para ir se habituando ao método. Com o tempo você poderá começar a pensar as ações da sua empresa de forma mais analítica e estratégica. 


Mas antes de cogitar a utilização do Growth Hacking na sua organização, é importante trabalhar ações voltadas para o inbound marketing. Essa é uma jornada na qual a RedaWeb pode ajudar a sua empresa, produzindo conteúdo de qualidade. 

Para tirar dúvidas sobre o nosso trabalho e conhecer mais sobre os planos de produção de conteúdo, ligue para 0800 750 5564. Não perca essa oportunidade de investir em maiores resultados para a sua estratégia de marketing digital.