Blog Venda de conteúdo: passo a passo para se destacar no digital

Venda de conteúdo: passo a passo para se destacar no digital

Mulher feliz no computador

Consultorias, mentorias, e-books e até mesmo aulas à distância se tornaram produtos de grande relevância para o mercado, principalmente ao longo e após a pandemia de coronavírus.


Essa era uma tendência que crescia de maneira consistente ao longo dos anos, com as previsões mais pessimistas, em 2019, de que toda essa indústria faturaria até 325 bilhões até 2025.


A expectativa foi superada, e esse continua sendo um nicho importante para gerar novas frentes de negócios para empresas, e até mesmo uma renda extra, podendo se tornar a principal, de profissionais autônomos.


Com isso em mente, criamos um conteúdo exclusivo sobre venda de conteúdo, com todo o passo a passo para se destacar no digital. Confira!


Saiba o que é venda de conteúdo


A venda de conteúdo é uma evolução natural do mercado, e que já acontece há séculos de maneira indireta.


Pense em um livro escrito por volta do século XIII. Eles eram caríssimos e cada pessoa que possuía, na verdade, era dono de uma peça artística extremamente rara. Afinal, eram escritos à mão e destinados a pessoas específicas, normalmente, nem eram comercializados, e sim, entregues como presentes nas cortes e nos monastérios.


Com a prensa de Gutenberg, os livros se tornaram mais baratos e mais pessoas podiam ter acesso a esse tipo de produto. Da mesma maneira, com a redução de custos, o número de autores também cresceu de maneira significativa. Porém, ainda havia um objeto sendo comercializado.


Hoje em dia, com a internet, é possível criar um produto que não existe no mundo real. Ou seja, agora é possível vender conteúdo sem precisar vender um produto físico associado a ele.


Pense em um e-book. É exatamente como um livro físico, porém, ao comprá-lo você não está adquirindo a capa, as folhas e a impressão, e sim a arte e o conteúdo.


Essa é a lógica dos infoprodutos e da venda de conteúdo online.


Dessa maneira, qualquer pessoa com um computador pode escrever um material, gravar um vídeo ou criar uma arte para ser comercializada no meio digital.


Um dos pontos mais importantes a ser levado em consideração é que o conteúdo é um terreno aberto, e mesmo que explorado por muitas pessoas, ainda possui certas limitações e dúvidas quanto ao seu papel no mercado.


Pense nas propagandas do passado. Quando você estava assistindo a sua novela, ela era interrompida e você sabia muito bem que estava no intervalo comercial. Com o passar dos anos, os famosos passaram a fazer parte das propagandas para gerar alguma conexão com o público.


Hoje em dia, grande parte da publicidade se tornou conteúdo. Ela não é mais explícita como era no passado, porém, ainda existem regras que precisam ser seguidas.


Se o seu objetivo é criar uma rede social poderosa para divulgar os seus patrocinadores, saiba que você não está vendendo conteúdo, e sim um espaço publicitário. Isso sempre deverá ser informado aos usuários que acompanham o seu perfil, ok?


O que fazer para vender conteúdo?


Saiba que a venda de conteúdo não se restringe apenas aos infoprodutos criados por influenciadores digitais. Esses materiais podem ser:


  • E-books;
  • Infográficos;
  • Artes digitais;
  • Vídeos;
  • Cursos completos;
  • Mentorias;
  • Certificações;
  • Postagens para blogs;
  • Estratégias de conteúdo, entre outros.


Para vender conteúdo o que você precisa fazer é, em primeiro lugar, definir a sua estratégia de atuação.


Caso adote uma postura de autoridade na rede, poderá vender produtos de maior complexidade, por consequência, gerar maior faturamento com um único conteúdo comercializado diversas vezes.


Nesse caso, recomendamos fortemente a abertura de um CNPJ como Microempreendedor Individual. Afinal, a Receita Federal já compreende essas transações digitais como um negócio, assim, você poderá ser punido caso não siga a legislação vigente sobre o tema.


Por outro lado, caso o seu objetivo seja se profissionalizar como um profissional que vende conteúdos para outras empresas, como postagens para blogs ou roteiros para vídeos, a estratégia mais interessante é trabalhar como freelancer.


Assim, você evita pagar as taxas para a manutenção do MEI, e não precisa se preocupar com a parte burocrática de se gerenciar um negócio, além de se manter dentro das leis e normas desse mercado.


Saiba como vender conteúdo na internet


Ao falarmos de venda de conteúdo, você precisa ter em mente que é uma área de atuação muito vasta. Portanto, não existe uma única estratégia ou fórmula capaz de garantir o seu sucesso.


Dependendo do formato adotado ou até mesmo do modelo de negócios a ser seguido, que explicaremos em detalhes mais adiante, a sua metodologia de trabalho precisará ser adaptada.


Como regra geral, pense em um tripé constituído com os seguintes pilares:


  • Conteúdo;
  • Entrega;
  • Acesso;


O conteúdo diz respeito à categoria que o seu produto pode ser enquadrado, como:


  • Curso: Uma sequência estruturada de aulas;
  • Serviço: Mentoria, certificação ou coaching;
  • Área para membros: Uma extensão do seu canal de contato com os clientes.


Já a entrega está relacionada à forma como esse conteúdo chegará ao consumidor. 


A estratégia mais comum para produtos é instantânea. Após o pagamento, o acesso é automaticamente liberado.


Para mentorias, é recomendado que a liberação seja feita em partes. Por exemplo, uma live todas as semanas, tarefas para serem concluídas nesse intervalo ou até mesmo uma sequência de vídeos gravados que é publicada com uma determinada periodicidade.


Por fim, o acesso contínuo é aquele que integra os dois modelos anteriores. É o padrão para serviços que simulam um streaming. O assinante tem acesso a tudo o que foi publicado até então, e durante o seu plano, acessa novos materiais conforme são postados.


O último ponto, do acesso, é um dos mais importantes, afinal, é sobre a forma de pagamento. Algumas formas utilizadas e amplamente recomendadas são:


  • Assinaturas;
  • Acesso vitalício;
  • Pacotes fechados;
  • Pagamento sob demanda.


Tendo esse tripé como o centro da sua estratégia, basta pensar na produção do conteúdo e nas maneiras de divulgá-lo para atingir um público-alvo relevante de acordo com a sua marca e os seus objetivos.


E onde vender conteúdo?


Para vender conteúdo é preciso tomar muito cuidado com a plataforma utilizada para hospedagem. Afinal, é necessário pensar também na segurança dos dados pessoais dos seus clientes.


Alguns produtores de conteúdo podem fazer as contas e chegar à conclusão de que uma plataforma própria ou um site pode ser a melhor alternativa justamente por não contar com taxas sobre as vendas. Se você possui domínio na área e pode terceirizar o sistema de pagamentos, basta seguir em frente.


Para a maioria dos empreendedores digitais, terceirizar todas as funções é a maneira mais segura e simples, mesmo que haja algumas taxas, considerando que elas são cobradas somente quando há uma venda de fato.


Nesse sentido, a Hotmart é uma plataforma que ganhou destaque ao longo da pandemia em todo o mundo. A sua principal vantagem é justamente essa: Permitir a hospedagem de todo tipo de material, cobrando apenas quando uma venda é finalizada, processada e confirmada.


No entanto, existem outras alternativas que podem ser vantajosas de acordo com as suas necessidades, como a Eduzz e a Monetize, sendo a segunda, eleita duas vezes a melhor plataforma pelo prêmio Afiliados Brasil.


Sempre leve em consideração as suas próprias necessidades. Por exemplo, uma área exclusiva de membros pode ser criada nas suas próprias redes sociais, como o close friends do Instagram ou até mesmo um perfil fechado. O próprio YouTube já oferece esse tipo de espaço sob assinatura.


Outro caso, são os E-books, que podem ser comercializados diretamente no marketplace da Amazon ou em outros espaços. 


Agora, se o seu objetivo é vender os seus serviços como produtor de conteúdo, a Redaweb está a caminho. Nós contratamos redatores que criam conteúdos para outras empresas, facilitando essa intermediação. Acesse a nossa página para compreender melhor!


Benefícios de um infoproduto



Toda empresa que está no mercado sabe o quanto é difícil vender um produto. Afinal, existe, além de toda a questão tributária, preocupações com a logística, a precificação e até mesmo o receio de ficar com algum item “encalhado no estoque”.


Os produtos digitais, ao longo da pandemia, se tornaram uma maneira de marcas consolidadas no mercado, ou até mesmo microempreendedores, gerarem uma nova fonte de receita diante das restrições de circulação.


Os infoprodutos são materiais que possuem baixo custo de produção. Dessa maneira, a primeira vantagem, é a mais evidente, é o fato de envolver um baixo risco. Mesmo que o seu material não se torne um sucesso de vendas, o custo baixo faz com que o investimento se pague facilmente.


Outro ponto é que, com a popularização da internet e os esforços para que o maior número de brasileiros possam acessá-la, a sua marca ganha uma via de comunicação com clientes de todos os lugares do Brasil e do mundo.


Se antes os custos logísticos impactavam significativamente na lucratividade do negócio e até mesmo na área de atendimento, os produtos digitais não respeitam fronteiras. É possível inclusive, vendê-los em outras moedas por meio de plataformas especializadas na área, como a Amazon, que faz a conversão de maneira automática para o cliente.


Nessa mesma linha de raciocínio, podemos pensar no potencial de escala do seu negócio. Pense que, para vender um produto físico, é preciso comprá-lo primeiro e acrescentar impostos e outras taxas. Para os infoprodutos, basta replicar o arquivo e vendê-lo infinitas vezes sem precisar criá-lo novamente do zero. Assim, com um baixo investimento, você pode faturar milhões.


Paralelamente, profissionais que prestam serviços de conteúdo a outras empresas, também gozam dessas vantagens. É possível atender clientes que estão a uma distância física maior, sem que isso impacte em nada os seus custos.


Modelo de negócio para venda de conteúdo


Um modelo de negócios é uma visão estratégica de como a empresa pode se posicionar no mercado e realizar os seus processos para atingir os seus objetivos. Alguns são tão relevantes que servem de inspiração na economia tradicional, como a linha de montagem da Ford, ou o sistema Starbucks de encantar clientes.


Para a venda de conteúdo esse universo é ainda mais vasto. Portanto, é preciso compreender como montar uma estratégia que, de fato, converse com os seus objetivos e valores.


O Canva é uma ferramenta imprescindível nesse processo. Com ele você identifica os pontos mais importantes de qualquer empresa que deseja pensar em uma estratégia real.


Primeiro, pense naquilo que realmente gera faturamento para a sua empresa. Nesse caso, será um infoproduto. Então:


  • Quem serão os seus parceiros?
  • Como a divulgação será realizada?
  • Quais são os seus diferenciais?
  • Onde o produto será vendido?
  • Quanto custará?
  • Quando o cliente poderá acessar?


Um dos modelos de negócio mais tradicionais para o mundo digital, que está em alta principalmente entre os influenciadores digitais, é o seguinte:


  • Usa-se o perfil nas redes sociais para divulgar o produto;
  • Esse infoproduto possui uma hospedagem na Hotmart;
  • O cliente compra na plataforma parceira e usufrui de maneira automática.


Porém, podemos pensar em outros modelos que seguem a lógica inaugurada pela Netflix, a modalidade de streaming:


  • Há múltiplas formas de publicidade;
  • O cliente acessa um domínio próprio da empresa;
  • Assina um determinado plano;
  • Acessa os conteúdos pelo tempo definido;
  • Indica para os seus amigos e familiares se o conteúdo lhe agradar.


No primeiro caso, é natural que haja um único infoproduto sendo vendido. No segundo, é possível criar vários canais e diversificar as fontes de receita.


Novamente, tudo depende dos seus objetivos, da sua estratégia, e também, do seu empenho em entrar definitivamente no mundo digital.


Curiosidades sobre venda online



Até aqui você compreendeu que os infoprodutos podem ser uma maneira altamente eficiente para gerar resultados financeiros. No entanto, existem algumas curiosidades que também precisam ser analisadas.


Em primeiro lugar, saiba que para entrar nesse mercado de conteúdo digital, não é necessário abandonar a sua empresa física. De fato, essa pode ser uma forma de diversificar o seu catálogo. Imagine uma loja de roupas que vende um curso online de moda e estilo.


Outra curiosidade, é que a venda online acelera o potencial de faturamento de qualquer negócio. Afinal, pense que no Brasil você leva entre 45 e 60 dias para abrir uma empresa. Para começar a vender no digital, basta ter um CNPJ, mesmo que MEI, para começar a vender. Tendo o conteúdo pronto, na prática, basta publicá-lo e anunciá-lo.


Pensando ainda em integrar com uma marca já existente, a criação de infoprodutos ajuda a criar uma consciência de marca. Ou seja, o próprio produto se torna uma maneira de divulgar a empresa como um todo.


Por fim, toda pessoa pode vender conteúdo. Não é preciso ser um grande especialista para escrever um e-book. Basta conquistar uma audiência engajada que pode se beneficiar com os seus materiais exclusivos.


Até mesmo uma curadoria pode ser vendida. Na prática, é uma seleção de títulos de livros, filmes ou músicas que podem ser interessantes.


Estratégias de marketing digital


Antes de pensar em divulgar o seu infoproduto, foque em criar um material de qualidade, afinal, um cliente satisfeito será o seu vitrine mais importante. Paralelamente, com base na legislação brasileira, o cliente insatisfeito tem direito a pedir o dinheiro de volta em até 7 dias após a compra, logo, você sairá perdendo se não entregar o que promete.


Atualmente, para realizar uma venda de conteúdo eficaz, é fundamental estar nas redes sociais. Esse é o ambiente onde os usuários estão mais propensos a comprar materiais que existem apenas no universo online.


Nelas, é possível fazer lives, webinars e engajar os seus leitores em doses homeopáticas para que, no final, o produto possa ser vendido. Pense que existem perfis com mais de 10 milhões de seguidores, mas que não conseguem vender nem 100 camisetas.


Assim, fica claro que a estratégia mais importante e eficiente é o marketing de conteúdo. Não deixe ele de lado. Inclusive, utilize como um meio para implementar outras estratégias que geram tráfego para a sua página de vendas, como anúncios pagos e SEO.


Outra estratégia que, de fato, pode gerar grandes resultados rapidamente, são as parcerias. Por meio de um perfil que já possui a audiência engajada, é possível acelerar as suas vendas de maneira significativa.


Nesse caso, o principal cuidado é sempre buscar parceiros que conversem com o seu público-alvo. Caso contrário, será apenas um investimento jogado no lixo.


Como o marketing de conteúdo pode ajudar na sua estratégia


Até agora falamos em venda de conteúdo pela internet. Certo?


Então é natural que o marketing de conteúdo seja a sua arma mais importante para gerar leads que podem ser convertidos em clientes.


Compreenda que número de seguidores, no marketing, é chamado de métrica da vaidade. Afinal, sem o tratamento adequado, é apenas um número que não consegue ser traduzido em faturamento.


O marketing de conteúdo garante que uma história está sendo contada para a sua audiência. Você não pode chegar, sem nenhuma razão, colocando um e-book à venda se o seu público não está interessado em ler.


Pense que o seu perfil nas redes sociais ou página na web é a vitrine do seu infoproduto. Se o seu conteúdo não possui qualidade ou não conversa com o público-alvo ao qual o produto digital se destina, as chances de sucesso são baixas.


Da mesma maneira, para vender é preciso que haja demanda. Essa demanda, na verdade, não existe na natureza, ela precisa ser plantada, regada, cultivada, para então ser colhida.


Pense no seu perfil favorito no Instagram, ou um blog que acessa quase todos os dias. Certamente o autor tem algo que prende a sua atenção. Esse conteúdo, com a embalagem certa, pode ser tornar um produto digital altamente lucrativo, afinal, a audiência está interessada em algo assim, mesmo que ainda não esteja disponível. Quando estiver, provavelmente será um sucesso.


Por outro lado, se o conteúdo é chato, maçante e não engaja, não tem razão para que o público se dê ao trabalho de acessar a sua página de vendas, e muito menos pagar para mais do mesmo.


O marketing de conteúdo busca uma sequência lógica de pensamento para conquistar o usuário, ajudar o lead a dar os próximos passos, até que chegue ao momento da compra altamente motivado a seguir em frente.


Exemplos de conteúdo para blog



Os blogs ainda são as ferramentas mais importantes para quem deseja se posicionar com relevância no mercado digital. Afinal, esse é o único espaço que uma empresa ou pessoa pode chamar de seu.


O perfil na rede social, na verdade, é concedido de maneira temporária. Você pode ser bloqueado a qualquer momento, penalizado pelo algoritmo, ou o próprio servidor pode sair do país.


Com isso, em mente, pense nesse ambiente como a sua principal fonte para gerar resultados significativos.


Os posts educacionais são fenomenais para converter leads. Com eles, o máximo valor é entregue na interação com a marca, afinal, ele sai aprendendo algo de graça, então estará mais disposto a pagar por um material aprofundado.


Ao criar o seu conteúdo, sempre pense nos pilares AIDA. Atenção, Interesse, Desejo e Ação.


Primeiro é preciso capturar a atenção do leitor para que ele tenha algum interesse em consumir o seu conteúdo de alto valor.


Esse material deve ser provocativo, evocando alguma emoção no usuário, afinal, emoções criam demandas, e demandas se transformam em desejos. Esses desejos, por sua vez, podem levar a ação de realizar uma compra.


Em um primeiro momento, o mais importante é posicionar o seu nome ou a sua marca como uma figura de autoridade e relevância no nicho de atuação. Pense que o ser humano só compre de quem ele confia, então, você deve conquistar a sua confiança aos poucos.


Quanto menos material de vendas, melhor. Porém, com o passar do tempo, essa lógica pode se inverter, principalmente próximo de um lançamento.


Nessa hora, é preciso investir pesado nos seus poderes de copywriter para convencer o cliente de que o seu infoproduto é capaz de mudar a vida dele de alguma maneira. Aí, as estratégias dependem dos valores da sua marca e dos seus objetivos.


Conclusão


A venda de conteúdo se tornou um verdadeiro fenômeno ao longo da pandemia. Atualmente pequenas empresas podem competir com grandes players no mercado pela atenção dos clientes.


Aqui na RedaWeb nós podemos ajudá-lo a criar o seu conteúdo para venda, assim como o material para a divulgação.


Acesse a nossa página para conferir os planos exclusivos!



Artigos relacionados.

Ver mais artigos
-dicas-de-conteudo-para-sua-loja-virtual criacao-de-personas-guia-simples-para-iniciantes qual-e-o-tamanho-indicado-para-postagens-online-saiba-aqui
Whatsapp
Ligue grátis 0800 750 5564
Ligue grátis 0800 750 5564